MUSICOTERAPIA FUNCIONA?

ESTUDO DE CASO ÚNICO BASEADO EM EVIDÊNCIAS DE UMA CLIENTE DEPRIMIDA

  • Ivanov Robertson de Oliveira Basso UFPel
Palavras-chave: musicoterapia, eficiência, estudo de caso único, evidências empíricas

Resumo

Uma revisão eletrônica e manual da bibliografia sobre a validez terapêutica da musicoterapia permite demonstrar que a qualidade das evidências empíricas, tanto do processo quanto dos resultados, está ainda em fase de consolidação. Estudos sobre a eficácia, a efetividade e a eficiência do método e seus resultados são ainda escassos, especialmente no que se refere a estudos com métodos empíricos sistemáticos. Os autores apresentam um estudo de resultados da musicoterapia através da avaliação da eficiência (validez terapêutica para casos específicos) da mesma, baseado em evidências empíricas, através de um delineamento de estudo de caso único (n=1) de uma paciente com depressão moderada (DSM-IV), ao longo de 40 sessões. Observações sistemáticas seriadas foram feitas mediante a utilização de quatro instrumentos (BDI, Inventário de Beck para depressão, SRQ-20, Questionário de auto-relato, IAT, Inquérito de aliança terapêutica, IEAM, Instrumento experimental de avaliação musical). Examinou-se o material da cliente, do terapeuta e de quatro juízes externos, mediante a análise clínica e estatística (correlação de Spearman) dos resultados dos instrumentos, das sessões video-gravadas e dos diálogos transcritos, incluindo-se 4 meses de follow-up. Há evidência empiricamente sustentada da eficiência da musicoterapia no caso desta cliente. O estudo de caso único baseado em evidências mostrou-se uma estratégia com um custo-benefício adequado e com a vantagem de ser clinicamente acessível e replicável. 

Publicado
18-02-2020
Seção
Sessão Especial - Textos Extemporâneos